Os Dias Da Peste

Sinopse:
A história se passa em um Rio de Janeiro sombrio e cyberpunk e narra a história de Artur Mattos, um técnico em computadores e professor universitário que ganha a vida percorrendo empresas cujos donos estão desesperados com as panes de suas máquinas. Mostrando a vida solitária e ambígua de Artur, o livro tenta provocar a questão – Será que devemos temer e impedir a inteligência artificial por causa do efeito nocivo de suas tecnologias?

7857028._UY630_SR1200,630_ Continuar lendo

Anúncios

#HQ: RGB-deadpixel

Sinopse:
RGB-deadpixel conta a história de três entidades samurais que equilibram esse universo. Seus interesses divergentes se colidem quando estas entidades se materializam em nosso mundo, iniciando um conflito épico que referencia, de forma impactante e visual, a morte de um elemento gráfico digital.

Continuar lendo

#Jogo: Into Mirror

Desenvolvido pela chinesa Lemon Jam Studio e disponível gratuitamente desde 2016 para Android e iOS, Into Mirror é um jogo de plataforma com um belo cenário cyberpunk.

O enredo segue a linha investigativa de uma equipe especial em uma missão dentro do Mirror, um mundo virtual do qual a humanidade se encontra amplamente dependente. A história se passa no ano de 2076 (não acredito em coincidências, há grandes chances aqui de uma escolha de data guiada pelo tão aguardado Cyberpunk 2077), onde a corporação Mirror se tornou a grande potência mundial em realidade virtual. Mas quando uma garota é sequestrada, causando aquilo que é conhecido como “bug”, ela é impedida de se deslogar. Assim começa a busca de nosso protagonista Allen e sua parceira, Kate, que irão encontrar desafios com as autoridades que parecem querer impedir a investigação.

Apesar do enredo trabalhar com uma proposta bastante cyberpunk, o jogo em si acaba se concentrando somente numa típica aventura de plataforma. Não há muito o que fazer além de correr, pular e atacar. Mas o cenário e itens que compõem as interações do personagem com o mundo de Into Mirror, acabam compensando esse lado.

Há letreiros em kanji e neon por toda parte, grandes prédios e uma predominância de cores frias, que lembram bastante o ambiente de Tron: o Legado (2010). Os inimigos alternam entre o que me pareceram punks e unidades policiais robóticas de formas humanoides, animais e drones. Entretanto, nem todos oferecem muita dificuldade, o que pode tornar o jogo fácil para quem fizer uso de bons itens. Como em todo jogo de plataforma, dá para explorar alguns bugs para ganhar um pouco de vantagem.

O tempo todo parecemos estar numa metrópole durante a noite, o que me fez pensar: o que há de diferente entre o mundo real e o virtual de Into Mirror? Não dá para ter certeza, pois o jogo se passa inteiramente no mundo virtual, não há interação com o mundo externo e, o mais próximo de uma ação relativa a cibernética, é quando você precisa destruir algum terminal. Ou seja, o jogo poderia se passar nas ruas de uma metrópole de verdade. Mas, talvez, isso mude algum dia, caso o estúdio resolva acrescentar atualizações, como fica sugerido após os créditos finais. Confesso que seria bom, pois (ALERTA DE SPOILER) a garota sequestrada sequer aparece no jogo!

Apesar do protagonista conseguir diferentes upgrades, as alterações em suas roupas/armaduras não são visíveis, pois apenas o formato de suas armas se modificam. Como na maioria dos jogos gratuitos, somos invadidos por anúncios. Em Into Mirror não é diferente. O problema mesmo é quando o jogo pausa para pedir ao usuário realizar login no Google Play Games sempre que encontra um item ou passa de nível. Ao menos, é possível obter créditos assistindo propagandas durante o jogo, facilitando a compra de novos itens.

Talvez, o maior problema seja a diferença entre os níveis de volume (que não podem ser ajustados) dos altos efeitos sonoros (FX) e da baixa música de fundo, pois isso tira um pouco da emoção. A única ressalva é no último nível, onde a trilha sonora pode lembrar bons animes cyberpunks de outrora.

Pode não ser um jogo inesquecível, mas proporciona uma boa diversão por algum tempo, além, é claro, de contemplar uma bela ambientação cyberpunk repleta de ação.

Onde adquirir:
Google Play (Android): https://play.google.com/store/apps/details?id=com.lemonjam.intomirror&hl=pt_BR
App Store (iOS): https://itunes.apple.com/br/app/into-mirror/id1072600030?mt=8

Trailer:

#Curta: Perspective

Com um título muito bem pensado – e não digo isso apenas pelo uso da câmera -, Perspective (2011) é uma curta-metragem dirigida por Mehmet Can Kocak, que também aparece em cena.

Como um tributo declarado ao cyberpunk, Perspective conta com a presença de elementos comum ao subgênero, como: o deck, a conexão neural e o ciberespaço. A trama é simples, um usuário em busca de diversão sexual em realidade virtual. O final faz uma referência as origens do termo bug na eletrônica.

A trilha sonora segue a tendência retrô da synthwave, como a maioria dos produtos culturais que tem usado a visão oitentista para compor uma atmosfera cyberpunk.

Ou assista pelo Vimeo:

Terra Incognita

Dentre tantos canais de resenhas no YouTube, o Terra Incognita tem um diferencial: análise de livros de ficção científica ainda não publicados no Brasil. Só por isso, o canal já merece uma conferida.

Criado pelo autor, tradutor e pesquisador literário Fábio Fernandes, o canal é uma ótima fonte de informação para se conhecer algo que nós (leitores sem domínio da língua inglesa) perdemos sobre publicações estrangeiras. Mas fiquem avisados: Fábio é um homem de opiniões fortes e o canal não tem periodicidade definida.

Terra Incognita:
https://www.youtube.com/c/TerraIncognitaBooksNStuff

Deixo em destaques dois vídeos que abordam o movimento cyberpunk. O primeiro é sobre a coletânea Mirrorshades (1986), que continua sem publicação no Brasil.

O segundo é sobre um bate papo muito questionador sobre o que foi e o que é o cyberpunk. Acho as questões abordadas nesse vídeo essenciais para quem procura escrever algo dentro do gênero, ou discutir novos conteúdos e obras.

#HQ: Cyberpunk

Sinopse:
Em um futuro próximo, uma bactéria comedora de carne assolou a humanidade, criando a oportunidade para que a corporação Re-ox se tornasse uma gigante das próteses e implantes cibernéticos. Um garoto de 17 anos, Izidore, membro da gangue Cyberpunk é sequestrado e após conseguir escapar, se reúne com seus amigos para voltar ao cativeiro e atender a um importante pedido de resgate.

18739925_109471929646544_7315247377940216219_n

Continuar lendo

#Curta: Sync

A cada 15 segundos, um computador, rede ou dispositivo móvel é pirateado por ciberterroristas. Para combater esse problema, a Syntek Industries fabricou entregadores de dados projetados a partir de avançadas máquinas robóticas. Esses entregadores são conhecidos como SYNCS. Os Syncs estão programados para fornecer pacotes de dados de forma segura sem interrupção.

A proposta de Sycn não é inovadora. Na verdade, é bem parecida com Johnny Mnemonic (1995). Trocam-se alguns detalhes aqui e ali, mas o entregador de dados sigilosos está lá.

Dirigida por Hasraf ‘Haz’ Dulull, muito conhecido por seus efeitos visuais, a curta foi custeada por um crowdfunding no Indiegogo e lançada em 2014. A produção é consideravelmente boa, deixando a desejar apenas em alguns detalhes. Os mais notáveis, são: a tremulação da câmera em momentos que não temos exatamente uma cena de ação, ou que exigisse tal recurso. O tiroteio artificial, que parece ter sido o maior desafio da direção. E o ator no papel de investigador que não tem uma atuação proporcional a importância de seu personagem.

A trilha sonora confirma a tendência de um estilo eletrônico que vem sendo adotado na FC, iniciado pelo Daft Punk em Tron: O Legado (2010), uma pena ela ser tão breve.

Também é possível assistir ao Making Off da produção pelo Vimeo.

Organismo Cibernético

Desenterrando mais um blog para o acervo do conteúdo em língua portuguesa dedicada ao cyberpunk.

Iniciado em 2012 e ativo até 2013, Organismo Cibernético foi um blog voltado a cultura cyberpunk. Não por acaso há muitas semelhanças com o conteúdo postado aqui no Cyber Cultura. Uma pena que, assim como outros projetos (Cyberpunk Brazil, Cybermagister), caiu em um hiato indeterminado. Apesar disso, o blog continua sendo uma boa fonte de pesquisa.

http://ccyberpunkk.blogspot.com.br/

#Curta: Man In Phone

Imagine acordar dentro de seu smartphone. Essa é a premissa de Man In Phone (2016), a curta metragem dirigida por Mackenzie Sheppard.

De maneira inexplicável, um homem japonês acorda preso dentro de seu smartphone. Transportado para essa outra realidade, ele apenas consegue observar o mundo exterior por de trás da tela, incapaz de se comunicar. A situação, então, o faz confrontar o estrago que o vício tecnológico causou a sua vida.

A produção japonesa consegue surpreender em vários aspectos. A começar pela solução simples de como representar o homem enclausurado, fazendo um bom uso da câmera, do jogo de luzes e explorando o espaço ao redor do smartphone. Mas o principal fator é a crível atuação de desespero do sujeito a observar tudo por de trás de uma tela. Os efeitos especiais são de boa qualidade, assim como os sonoros. Em dado momento apresentam um ciberespaço com uma estética até parecida com o que imaginávamos a algumas décadas, mas com ícones de aplicativos como são usados hoje.

Talvez o mais incrível de Man In Phone sejam as reflexões que ele proporciona em seus menos de oito minutos, além de um desfecho na medida do necessário.

Ou assista pelo Vimeo: