Sobre blogs e lobos

À medida que o número de resenhas por aqui vai aumentando (ainda que num ritmo bastante lento), eu acabo me deparando com mais e mais resenhas ruins pela Internet. Como leitor, estou sempre interessado por discussões acerca das obras que consumo e sempre vou atrás de opiniões e interpretações diferentes da minha. Porém vivo me deparando com algo assustador: resenhas que não dizem nada.

Em pleno 2018 já era para eu ter me acostumado com o fato de que a Internet é um grande espaço de desordem, caos e etc. Mas ainda assim é notável como algumas coisas procedem e gostaria de compartilhar um pouco do que me “assombra” em relação a pessoas que se dispõem a escrever um texto e postar sua opinião para que outras leiam.

A coisa mais notável nos últimos tempos é a questão da plataforma. Existem tantos sites diferentes para compartilhar conteúdo, porém na maioria das vezes eles são usados da mesma maneira, ou seja, sem um crivo de “como falar sobre algo” em diferentes lugares. Um exemplo simples, o famoso textão de Facebook. Apesar do seu alcance como ferramenta de interação, para textos longos acaba sendo uma porcaria. Não é confortável ler por muito tempo no espaço reservado ao texto no layout do Facebook. Tudo bem que na versão mobile isso acaba sendo menos incômodo, mas ainda assim continua não sendo o melhor lugar para se ler algo longo. Se for para divulgar um texto comentando uma obra pelo Facebook, acredito eu, que vale muito mais a pena ser sucinto, pois é fácil perder o interesse e realizar apenas uma “leitura dinâmica” para saber resumidamente o que estão querendo dizer.

Se o Facebook já não é um lugar exatamente confortável para realizar leituras, o que dizer do Instagram? Provavelmente é o pior lugar para despertar interesse sobre um texto, afinal, é um aplicativo pensado para promover fotos. Os textos não passam de complemento dentro dessa ferramenta. As páginas do Instagram, para quem abre algum link no desktop, são uma bela porcaria para realizar leitura, tornando-as algo quase que exclusivo para ser desfrutado na versão mobile. Mas que assim como o Facebook, passa longe de um conforto para textos longos. Resumindo, o instabooker tem grande potencial para ser um bom fotógrafo.

Já o YouTube, ou melhor dizendo, os canais de booktubers, conquistaram um espaço interessante e ganham cada vez melhores produções. Vejo bastante trabalho bem feito nessa plataforma e é a que mais se adequou ao seu formato, o vídeo. O que quero dizer é que vídeos curtos e médios que colocam o espectador dentro de uma informação ágil me parecem a melhor evolução possível dos antigos blogs literários. Mas não pense que não há uma perca, pois também percebo a falta de certa profundidade nesse formato de resenha, principalmente quando os booktubers passam maior parte do tempo falando do enredo do que resenhando. Já parou para pensar que contar a história de um livro não é o mesmo que resenhar? Pois é, parece que muita gente ainda não se deu conta disso.

E qual a vantagem dos blogs? A resposta é simples: a organização do espaço de postagem. Em quase todo blog gratuito é possível organizar o tamanho da fonte, a posição do texto dentro do layout do site, a cor ou imagem de fundo, assim como a cor da fonte. Sem contar que é fácil adicionar fotos em posições estratégicas, inserir símbolos, hyperlinks, usar recursos html, etc…

Agora continuando com outra questão essencial: por que leitores também resenham? Acredito que a maioria sente alguma empolgação após finalizar uma leitura e isso os compelem a escrever qualquer coisa. Se por um lado isso é legal, por outro, estamos acumulando uma certa quantidade de informação que dificulta encontrar uma opinião que realmente diga algo sobre uma obra. E aqui vai um óbvio exemplo: Skoob. Basta entrar em algum best-seller, de preferência algum que acrescente um pouco de estilo e técnica narrativa, como Clube da Luta (1996), e você vai entender onde quero chegar. Isso me deixa um pouco preocupado, imaginando se existe ou não um amadurecimento do leitor após encarar uma obra.

Mas voltando ao Skoob, já encontrei muita resenha onde alguém apenas copiou e colou a sinopse do livro. Ou então, leitores que não compreenderam certas questões conceituais básicas que compõe a trama/projeto de alguma obra. Mas isso não é um problema localizado, o mesmo tipo de informação (ou chame isso de resenha se preferir) na Amazon e blogs. Um exemplo interessante foi um texto postado num espaço dedicado a resenhas, mas que só continha frases de efeito ditas pelos personagens.

Acredito que exista um motivo para resenhar que não seja a euforia de acabar um livro ou um quadrinho. Ocasionalmente me deparo com editoras que compartilham resenhas de obras que elas publicaram e percebo que o que elas receberam, na verdade, foi apenas uma sinopse de algum instabooker, ou o resumo da trama principal por um booktuber. Fico decepcionado nesses momentos, pois não era esse o tipo de informação que eu buscava.

Não é difícil parar um pouco para estudar o meio editorial. Tenho feito isso nos últimos anos e foi algo que me ajudou imensamente ao analisar um livro. Existe uma rede enorme de podcasts, grupos virtuais e autores dedicados a fomentar a literatura. Basta ter interesse para se tornar um leitor/resenhista “melhor”.

Anúncios

Postagens, Cyber Cultura e dois anos fumegantes

Em 2015, quando iniciei o Cyber Cultura, nem mesmo sabia o que tinha em mente. Apenas queria trazer um pouco de conteúdo do que é comentado nos fóruns de cyberpunk para a língua portuguesa. Trazer a discussão, os questionamentos, os temas de debates e, que sabe, um pouco de esclarecimento.

Nunca havia tentado blogar nada com seriedade. Aliás, blogs já não são mais a mesma ferramenta de informação que um dia foram… Quem teve contato com a cultura virtual de mais de dez anos atrás, sabe do que estou falando. Ainda assim, blogs continuam sendo um bom local para encontrar algum tipo de pessoalidade que se perdeu em meio a tantos sites de conteúdo “geek” replicadores de notícias.

Por isso, ao invés de simplesmente desanimar – afinal, o blog quase não é conhecido/visitado – com o baixo alcance e interesse do público, eu percebi o quanto é interessante trabalhar em minhas postagens dessa maneira. Não preciso corresponder a expectativas, não preciso desenvolver resenhas de teor “café com leite” para agradar ninguém (leitor, autor, editora), não preciso ter compromisso com periodicidade, padronização e qualidade para não perder público. Sou livre!

Agora, depois de quase dois anos e meio, fica cada vez mais claro que não dá para simplesmente seguir a diretriz inicial. Eis o motivo: não há um espaço para referenciar o cyberpunk na blogosfera brasileira. Todos os outros blogs que encontrei estão em hiato indeterminado. Filmes, livros, séries e quaisquer outros tipos de conteúdos não recebem uma atenção, um olhar clínico sobre como se relacionam com o cyberpunk. É necessário ponderar, explorar o gênero, principalmente em sua produção nacional, que carece muito de boas resenhas. Sem uma opinião crítica, jamais haverá um estímulo à produção independente de qualidade.

Mas depois desse tempo, também percebi que manter um blog interessante é difícil até mesmo para mim, porque isso requer tempo. E haja tempo para pesquisar, ler, assistir, analisar, procurar opiniões diferentes e referências para, enfim, colocar em prática e perceber que tudo isso rendeu pouco mais de cinco linhas. E essa é a parte divertida. A parte difícil é conciliar esse tempo à vida pessoal e descobrir que não o possui. Então, a melhor maneira que encontrei de contrabalancear esses pesos, foi a de disciplinar e orientar as postagens e projetos que tenho.

Para começar, algo que estou devendo a mim mesmo há mais de um ano, que é elaborar um lista com as obras nacionais do gênero em quaisquer mídias. Infelizmente, a nossa produção é tão pequena que é possível rastreá-la com um ligeiro esforço. Continuando a lista, o próximo passo é tentar coletar dados editoriais através de entrevistas, para melhor compreender o alcance do gênero. Por fim, diminuir o tempo que levo para elaborar resenhas e, quem sabe, até buscar opiniões de autores e pesquisadores. Fora isso, há várias postagens antigas a serem modificadas, apagadas ou refeitas, pois minha cabeça mudou e já não me enxergo em todas as palavras que escrevi.

Entretanto, não será um processo rápido, pois tendo decidido estudar e começar a me dedicar um pouco mais a escrita, o Cyber Cultura receberá bem menos atenção.

Nova edição da revista de ficção científica gratuita Somnium

A edição de número 113 da Somnium traz um artigo sobre transhumanismo e diversos contos de ficção científica!

Blog do Palhão

Olá, pessoal!

Estou passando para indicar a revista do Clube dos Leitores de Ficção Científica (CLFC), do qual sou membro.

Para baixar gratuitamente a edição 113 da Somnium, clique no link a seguir:

http://clfc.com.br/Somnium113.pdf

E boa leitura!

Ver o post original

Netflix’s Altered Carbon and Asian Consciousness in White Bodies

Enquanto as discussões sobre Hoolywood ter feito ou não whitewashing na adaptação de Ghost in the Shell, o tema foi incrivelmente aprofundado na discussão feita pelo site The Nerds Of Color, que usou da obra Carbono Alterado, de Richard K. Morgan, para discutir sobre o protagonista (que é em parte descendente de japoneses) preso ao corpo de um homem branco e como ele se sente naquela posição. [Texto em inglês]

The Nerds of Color

A few weeks ago it was announced that Netflix is adapting Richard K. Morgan’s 2002 sci-fi novel Altered Carbon, and that the main character, Takeshi Kovacs, will be played by Joel Kinnaman.

© Brian To/WENN.com

This guy. Playing somebody named Takeshi, who is specifically described in the articles as being at least biracial Japanese.

Ver o post original 1.966 mais palavras

Resultados do Desafio X-Punk — EntreContos

Quando soube que o site Entre Contos iria realizar um concurso literário voltado ao tema cyberpunk e seus vários subgêneros, fiz questão de acompanhar e participar como avaliador. Tive de dedicar um bom tempo para ler os 40 contos e acabei dando um pausa aqui no Cyber Cultura. Mas valeu a pena acompanhar um evento importante para a formação de novos escritores e descobrir novos talentos nacionais.

Caros EntreContistas, Um dos desafios mais exigentes que já tivemos por estas bandas. Quarenta contos inscritos e apenas três desclassificados, abordando as diversas faces do universo punk, em suas versões cyber, steam, bio, glitter e… café. Haja criatividade e haja polêmica! Mais de 1600 comentários revelando toda a dedicação e paixão de nossos participantes. Muitos parabéns, como diz […]

via Resultados do Desafio X-Punk — EntreContos

Among Thorns

Among Thorns, jogo com temática cyberpunk.

Análise Indie

among-thorns-comeco

História e Arte – Matt Frith
Música – James Spanos
Efeitos Sonoros – Drew Wellman e Arvid Staaf

Link para download: https://mattfrith.itch.io/among-thorns

Among thorns é um jogo point and click de temática cyberpunk, com uma duração média de 30 a 60 minutos. O jogo foi desenvolvido em apenas um mês para a competição Monthly AGS, o jogo roda em windows e linux (através do wine).

Jogamos com a personagem Cora Bry que enquanto degusta o seu miojo recebe uma ligação para um trabalho, o trabalho consiste em encontrar um cara que possui a cura para a Necronite, essa tal de Necronite é um vírus que afeta os equipamentos eletrônicos e atinge grande parte do mundo. E então o jogo se passa nessa noite em que Cora Bry vai em busca da cura. O universo do jogo é apresentado por meio de alguns diálogos, itens e cenários, por ser um jogo curto…

Ver o post original 141 mais palavras

Interação dentro da realidade virtual com HTC Vive

htc-vive-product-1

Suprimatec.com desde o principio abordou temas importantes relacionados com a realidade virtual em vários campos. Aos poucos ela está se tornando algo presente e com grande potencial para evolução no futuro. Algumas empresas como a Valve são precursoras desse fenômeno de revolução na interatividade.

É muito difícil mostrar paras pessoas como seria a realidade virtual sem coloca-las dentro de uma cena, é por isso que a Valve fez uma demonstração com alguns participantes em um estúdio com um fundo verde para que todos entendam o que está acontecendo com aquela pessoa imersa no mundo virtual.

O vídeo abaixo mostra como veríamos um mundo virtual usando o óculos de realidade virtual HTC Vive.

Segundo site de tecnologia Canaltech o equipamento será vendido em lojas físicas a partir de junho, veja a matéria completa:

http://canaltech.com.br/noticia/htc/htc-vive-sera-vendido-em-lojas-fisicas-a-partir-de-junho-61961/

O mundo mágico da realidade virtual está apenas n começo, fique ligado que muito mais coisas estão…

Ver o post original 2 mais palavras

Nano-robôs irão plugar nosso cérebro na internet em 2030, e muito mais…

Nano robôs em medicina Conceito da nanotecnologia medicina como um grupo de nano robôs microscópicos ou nanobots programado para matar células cancerosas ou doenças humanas como um símbolo cura cuidados de saúde futurista

Raymond Kurzweil é um inventor e futurista dos Estados Unidos. Pioneiro nos campos de reconhecimento ótico de caracteres, síntese de voz, reconhecimento da fala e teclados eletrônicos. Ele é autor de livros sobre saúde, inteligência artificial, transumanismo, singularidade tecnológica e futurologia. Fonte: Wikipédia.

Ray é um tecnólogo brilhante, futurista, e um diretor de engenharia do Google focado em IA e processamento da linguagem. Ele também fez as mais corretas (e documentadas) previsões sobre o futuro da tecnologia do que qualquer um:

Conforme relatado, “Das 147 previsões de que Kurzweil tem feito desde a década de 1990, 115 delas acabaramsendo corretas, e outras 12 acabaram sendo “essencialmente corretas”, dando a suas previsões uma impressionante taxa de precisão de 86%.”

Uma de suas previsões, mais…

Ver o post original 1.046 mais palavras