#Jogo: Into Mirror

Desenvolvido pela chinesa Lemon Jam Studio e disponível gratuitamente desde 2016 para Android e iOS, Into Mirror é um jogo de plataforma com um belo cenário cyberpunk.

O enredo segue a linha investigativa de uma equipe especial em uma missão dentro do Mirror, um mundo virtual do qual a humanidade se encontra amplamente dependente. A história se passa no ano de 2076 (não acredito em coincidências, há grandes chances aqui de uma escolha de data guiada pelo tão aguardado Cyberpunk 2077), onde a corporação Mirror se tornou a grande potência mundial em realidade virtual. Mas quando uma garota é sequestrada, causando aquilo que é conhecido como “bug”, ela é impedida de se deslogar. Assim começa a busca de nosso protagonista Allen e sua parceira, Kate, que irão encontrar desafios com as autoridades que parecem querer impedir a investigação.

Apesar do enredo trabalhar com uma proposta bastante cyberpunk, o jogo em si acaba se concentrando somente numa típica aventura de plataforma. Não há muito o que fazer além de correr, pular e atacar. Mas o cenário e itens que compõem as interações do personagem com o mundo de Into Mirror, acabam compensando esse lado.

Há letreiros em kanji e neon por toda parte, grandes prédios e uma predominância de cores frias, que lembram bastante o ambiente de Tron: o Legado (2010). Os inimigos alternam entre o que me pareceram punks e unidades policiais robóticas de formas humanoides, animais e drones. Entretanto, nem todos oferecem muita dificuldade, o que pode tornar o jogo fácil para quem fizer uso de bons itens. Como em todo jogo de plataforma, dá para explorar alguns bugs para ganhar um pouco de vantagem.

O tempo todo parecemos estar numa metrópole durante a noite, o que me fez pensar: o que há de diferente entre o mundo real e o virtual de Into Mirror? Não dá para ter certeza, pois o jogo se passa inteiramente no mundo virtual, não há interação com o mundo externo e, o mais próximo de uma ação relativa a cibernética, é quando você precisa destruir algum terminal. Ou seja, o jogo poderia se passar nas ruas de uma metrópole de verdade. Mas, talvez, isso mude algum dia, caso o estúdio resolva acrescentar atualizações, como fica sugerido após os créditos finais. Confesso que seria bom, pois (ALERTA DE SPOILER) a garota sequestrada sequer aparece no jogo!

Apesar do protagonista conseguir diferentes upgrades, as alterações em suas roupas/armaduras não são visíveis, pois apenas o formato de suas armas se modificam. Como na maioria dos jogos gratuitos, somos invadidos por anúncios. Em Into Mirror não é diferente. O problema mesmo é quando o jogo pausa para pedir ao usuário realizar login no Google Play Games sempre que encontra um item ou passa de nível. Ao menos, é possível obter créditos assistindo propagandas durante o jogo, facilitando a compra de novos itens.

Talvez, o maior problema seja a diferença entre os níveis de volume (que não podem ser ajustados) dos altos efeitos sonoros (FX) e da baixa música de fundo, pois isso tira um pouco da emoção. A única ressalva é no último nível, onde a trilha sonora pode lembrar bons animes cyberpunks de outrora.

Pode não ser um jogo inesquecível, mas proporciona uma boa diversão por algum tempo, além, é claro, de contemplar uma bela ambientação cyberpunk repleta de ação.

Onde adquirir:
Google Play (Android): https://play.google.com/store/apps/details?id=com.lemonjam.intomirror&hl=pt_BR
App Store (iOS): https://itunes.apple.com/br/app/into-mirror/id1072600030?mt=8

Trailer:

Anúncios

Vestindo Cyberpunk

Que tal vestir a sua personagem cyberpunk? Os jogos de vestir (dress up games) da Rinmaru Games oferece a possibilidade de escolher o cyberpunk entre as diversas temáticas para a composição do figurino. O site oferece ampla variedade para a personalização de roupas, acessórios, sapatos e cabelos. Apesar de ser direcionado ao público feminino infantil, nada impede a homens e mulheres de qualquer idade de criarem sua própria Molly Millions.

Link para o jogo:

http://www.rinmarugames.com/game/?game_id=463

Também é possível jogar com a temática steampunk em duas versões:

http://www.rinmarugames.com/game/?game_id=319
http://www.rinmarugames.com/game/?game_id=71

Vale dizer que o visual do jogo é mais fidedigno do que as roupas da Dafiti. Aqui vai uma amostra feita por mim:

jpg.jpg

ÆNiGMA

Em seu tempo livre, o artista conceitual Derek Weselake, trabalha em em seu projeto concebido teoricamente para ser um jogo, ÆNiGMA. Com elementos cyberpunk e fantásticos em um futuro distante, o jogador explorará uma massiva cidade com diferentes ramificações de realidades, onde um estranho evento no passado causou o surgimento de coisas bizarras pelo mundo, como se fossem parte de um sonho, então grande parte do planeta se tornou inabitável. O protagonista, Blake Surtofsk, deixa sua pacata fazenda e parte para uma famosa universidade na cidade de Jonada.

Continuar lendo

#Jogo: Dex

Apesar de já ter reblogado aqui um post sobre este jogo, falarei de novo sobre Dex, um jogo de RPG altamente cyberpunk. Ele foi lançado em Maio de 2015 e teve seu financiamento realizado pelo site Kickstarter. Está disponível para as plataformas: Microsoft Windows, Linux, OS X, Ouya e Wii U.

O jogo foi desenvolvido pela empresa Dreadlocks Ltd, fundada em 2011 e que constava com apenas o puzzle Rune Legend em seu catálogo de jogos. Então o projeto do Dex foi lançado no Kickstarter e conseguiu atingir a meta para sua realização, além disso, o jogo chamou a atenção na comunidade do Steam Greenlight, recebendo o apoio para ser disponibilizado no Steam.

O jogo conta com uma incrível trilha sonora, um enredo bem desenvolvido e fortemente influenciado pelos romances de William Gibson, um cenário rico em elementos, muita ação e, é claro, níveis que são jogados no ciberespaço, através de um avatar digital.

Outras informações e links para download do jogo podem ser encontrados em

Site oficial: http://www.dex-rpg.com/index_en.php
Steam: http://store.steampowered.com/app/269650/?l=portuguese
Facebook: https://www.facebook.com/DreadlocksEN/

Trailer do jogo:

#Jogo: The Last Night

Criado pelo irmãos Tim e Adrien Soret, The Last Night foi o vencedor do Cyberpunk Jam, uma disputa entre desenvolvedores independentes de games para o site http://itch.io/. O jogo começa com um homem e uma arma, as decisões tomadas pelo jogo irá levar a diferentes caminhos. Totalmente ambientado num cenário futurista, com claras influências de Bladde Runner, o jogo tem um forte elemento cinematográfico, mesmo sendo em 2D e utilizando da “pixelagem” para criar os gráficos.

Continuar lendo