A Moda Cyberpunk

Desde o post sobre a Dafiti, que estive pensando em falar sobre o vestuário cyberpunk de maneira que fizesse algum sentido. O problema era meu desapego a questões de moda, que sempre me fazia adiar o assunto. Então, após algum tempo pesquisando nas comunidades online, juntei algum material que o público reconhecesse como tal.

preview-kimono-robe-306323-back

Estampa com o rosto de Rachael, de Blade Runner (1982)

Durante minha pesquisa, descobri que o Neon Dystopia já havia publicado sua própria visão sobre o que torna uma roupa cyberpunk, indicando diversos sites onde comprar e anunciando sua própria coleção de estampas. Recomendo a leitura, apesar de seu conteúdo destacar somente a visão pessoal do autor, pois há nos comentários um exemplo do que acontece com temas tão indeterminados como esse. Resumindo: o designer da Dustrial (marca que citarei mais adiante no texto) teve seu trabalho, que é declaradamente inspirado no cyberpunk, classificado como algo que não representasse essa estética. Isso só comprova o mesmo que falei em relação a música: ao transpormos os valores cyberpunks dos livros para outras áreas, estaremos em um território “livre” para usar da nossa interpretação e classificar o que é, e o que não é cyberpunk.

Em algumas obras literárias é possível encontrar descrições das vestes dos personagens. Particularmente, acho a maioria dessas descrições enfadonhas e que em nada acrescentam a trama. Tanto faz a cor da calça de algodão de tal personagem, se isso não afetar nenhum evento. Mas isso é algo particular. Já nos filmes, os figurinos precisam ser trabalhados de maneira convincente, sabendo quando a situação exige algo mais comportado ou mais extravagante, e indo além, dando aos personagens com visuais mais radicais, uma certa liberdade de explorar estilos de maquiagens, cortes de cabelo e adereços. Tudo irá depender do universo criado para se representar gostos pessoais, condições financeiras, nacionalidade, tecnologia, tribos urbanas, etc.

Sobre a moda cyberpunk no mundo real, encontrei algumas interessantes lojas de roupas e temas a se debater:

Cyberdog

http://www.cyberdog.net/

A loja de roupas Cyberdog, foi completamente pensada para representar nossa era tecnológica e as tribos urbanas. No próprio site da loja é exposto o objetivo de atuar como uma representante da cultura futurista. Os visuais das roupas e acessórios que a Cyberdog oferece, varia de acordo com as tendências da cultura pop e influências do cenário musical. Os looks são divididos em categorias e contemplam facilmente os gostos dos movimentos clubber, raver, cyberpunk, noir, etc. O uso de materiais fluorescentes e cores extravagantes são comuns.

A loja física em si, já é uma atração a parte. Localizada na cidade de Londres, ela conta com uma decoração bastante chamativa, com um androide e uma ginoide gigantescos em sua porta de entrada. Por dentro, o espaço é bastante decorado e colorido, quem tiver curiosidade, pode fazer um tour virtual pelo seu interior através do link:

http://www.cyberdog.net/pages/virtual-tour

O site da Cyberdog também conta com um canal de notícias, roupas para crianças e recém nascidos, acessórios e links para suas outras redes sociais. Uma dica: a Cyberdog realiza entregas internacionais!

Dustrial

https://dustrial.net/

Apostando num design moderno e em peças inteiramente decoradas, a Dustrial (ou Dvstrial) é uma empresa americana que se foca nas referências a ficção científica e tecnologia. No geral, suas roupas trabalham tons mais escuros, preto e branco e formas geométricas. Sua temática cyberpunk é mais voltada ao clima “urbano monocromático”, ao contrário do futuro colorido da Cyberdog.

A Dustrial usa das redes sociais para expor a origem da inspiração artística de suas coleções. É possível acompanhar esse processo pelo seu Tumblr e nos seus outros canais:

http://dustrial-inc.tumblr.com/

Obs.: Eles também realizam entregas internacionais!

CryoFlesh

http://www.cryoflesh.com/shop/index.php

Voltada para o público cosplay, gótico, industrial e suas vertentes, a CryoFlesh trabalha bastante com o visual cybergoth. É possível encontrar lojas que vendam roupas desse estilo aqui mesmo no Brasil, eu apenas não conheço nenhuma voltada exclusivamente a esse visual, como é a CryoFlesh, para indicar.

Estampas

Site de estamparias com temática cyberpunk são facilmente encontrados pela internet. Não há muito o que se dizer sobre isso, portanto deixo apenas duas indicações de sites que tem um  grande acervo de referências ao cyberpunk, Neuromancer e sci-fi:

Memetic Tess:

http://www.memetictees.com/shop/

Redbubble:

O Redbubble é uma espécie de mercado comunitário virtual, onde artistas podem vender sua arte em estampas de camisetas e outras peças de roupas, acessórios, peças de decoração, canecas, etc. Basta pesquisar o que você deseja e depois filtrar pelo tipo de produto. Sugiro pesquisar por Neuromancer, pois sempre há bastante conteúdo sobre ele.

https://www.redbubble.com/


É possível encontrar estilos variados na busca pela moda cyberpunk. No Cyberpunk Forums, por exemplo, eu encontrei essa indicação:

https://damascusapparel.com/

Outro estilo comumente associado ao cyberpunk, é o militarista. A origem dessa aproximação, provavelmente é uma herança dos enredos que retratam um mundo pós-guerra, geralmente seguidos de dominações corporativas e violentos conflitos de interesses.

Acredito que, sobre a moda, algumas questões ainda serão discutidas pelas próximas gerações. Por exemplo, as roupas impressas em 3D. Considerando que elas se tornem comum e por serem o produto de uma tecnologia “recente”, vista como o resultado de avanços científicos, ela será considerada cyberpunk por isso? E quanto aos tecidos inteligentes, o que eles significarão para o futuro da moda e como isso refletirá dentro da ficção especulativa?

Outra discussão intrigante, é a perspectiva de volta a estética dos anos 80/90 do Vaporwave, um fenômeno cultural nascido dentro da era digital, mas ainda muito recente pra ser classificado ou mesmo debatido a fundo. Mas que consegue retomar ao visual ao qual éramos acostumados quando o cyberpunk ainda estava em seu hype. O problema é que o Vaporwave retoma a qualquer coisa dessa época, então sua abrangência de códigos visuais é extensa demais para ficar procurando o que seria ou não influência do cyberpunk. Além do mais, há uma perspectiva de retrofuturismo ali, o que não é necessariamente o caso do cyberpunk, mas essa já é uma discussão para um futuro próximo. O que conta, é que ao explorar aquela qualidade inferior de resolução de cores, a glitch art e o uso de certos tons, como o rosa e o roxo, para compor um visual bastante retrô, o Vaporwave começa a se expandir para além dos memes da internet, atingindo a moda. São tantos movimentos culturais e subdivisões, que começa a ficar difícil diferenciá-los. O Seapunk, por exemplo, tem muita coisa em comum com o Vaporwave e ambos dividem raízes profundas na cibercultura e aspectos visuais dos anos 90.

Existe um caso particular que liga a ficção especulativa ao mundo da moda, através do livro Reconhecimento de Padrões (2003), de William Gibson, do qual pretendo explorar em um tópico a parte, pois não é um romance cyberpunk.

Anúncios

Deixe um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s