O Manifesto Hacker

Publicado em 1986 sob o título “The Conscience of a Hacker”, o texto que ficou conhecido como O Manifesto Hacker, é uma abordagem do início do movimento, que retrata o espírito da época.

A importância desse texto para o desenvolvimento da cultura e da ética hacker, pode ser melhor explicada pela própria comunidade hacker. Segue o trecho adaptado do site Anonymousbr4sil:

Ele foi escrito após a detenção do autor, e publicado pela primeira vez no ezine Phrack. É considerada uma pedra angular da cultura hacker, e dá alguns esclarecimentos sobre a psicologia de início dos hackers. É dito que isso moldou a opinião da comunidade hacker sobre si mesma e sua motivação. O Manifesto afirma que os “hackers” optam por hackear, porque é uma maneira pela qual eles aprendem, e porque muitas vezes são frustrados e entediados pelas limitações das normas da sociedade. Também expressa o Satori de um hacker percebendo seu potencial no domínio dos computadores.

O Manifesto age como um guia para hackers do mundo, especialmente os novos no campo. Ele serve como um fundamento ético à pirataria, e afirma que há um ponto que a pirataria substitui desejos egoístas para explorar ou prejudicar outras pessoas, e que a tecnologia deve ser usada para expandir nossos horizontes e tentar manter o mundo livre.

O autor do manifesto, Loyd Blankenship, escreveu o texto sob o pseudônimo The Mentor. Mais tarde, Loyd seria chamado para escrever o RPG Gurps Cyberpunk.

Segue o texto em uma tradução livre:

Mais um foi pego hoje, está em todos os jornais. “Adolescente preso por crime de computador”. “Hacker é preso após falsificação bancária”…

Malditos garotos. Eles são todos parecidos.

Mas você, em sua psicologia barata e um cérebro tecnológico de 1950, nunca viu por trás dos olhos de um hacker? Você já se perguntou o que o marcou, o que o forçou, o que pode tê-lo moldado?

Eu sou um hacker, entre no meu mundo…

O meu é um mundo que começa com a escola… Eu sou mais esperto do que a maioria das outras crianças, essa porcaria que eles nos ensinam me entedia…

Maldito estudante abaixo da média. Eles são todos parecidos.

Eu estou no ensino fundamental ou no ensino médio. Eu ouvi os professores explicarem pela décima quinta vez como reduzir uma fração. Eu entendi. “Não, Sra. Smith, eu não mostrei o meu trabalho. Eu fiz na minha cabeça…”

Maldito garoto. Provavelmente copiou isto. Eles são todos parecidos.

Eu fiz uma descoberta hoje. Eu encontrei um computador. Espere um segundo, isto é legal. Ele faz o que eu quero. Se ele comete um erro, é porque eu estraguei tudo. Não é porque não gosta de mim… Ou se sente ameaçado por mim… Ou pensa que eu sou um espertinho… Ou não gosta de ensinar e não deveria estar aqui …

Maldito garoto. Tudo o que ele faz é jogar jogos. Eles são todos parecidos.

E então aconteceu… uma porta aberta para um mundo… correndo através da linha telefônica como heroína pelas veias de um viciado, um pulso eletrônico é enviado, um refúgio contra as incompetências do dia-a-dia é solicitado… uma placa é encontrada.

“Isto é tudo… isto é onde eu pertenço…” Eu conheço todo mundo aqui… mesmo que eu nunca tenha encontrado com eles, nunca falado com eles, e talvez possa nunca ouvi-los novamente… Eu conheço todos vocês…

Maldito garoto. Ocupando a linha telefônica novamente. Eles são todos parecidos…

Pode apostar que somos todos parecidos… temos sido alimentados com comida para bebê na escola enquanto tínhamos fome de bife… os pedaços de carne que você deixou escapar foram pré-mastigados e sem gosto. Nós fomos dominados por sádicos, ou ignorados pelo apático. Os poucos que tiveram algo a nos ensinar, encontraram alunos dispostos, mas esses poucos são como gotas de água no deserto.

Este é o nosso mundo agora… o mundo do elétron e do interruptor, a beleza da transmissão. Nós fazemos uso de um serviço que já existe sem pagar o que poderia ser baratíssimo, se não fosse administrado por gulosos aproveitadores e você nos chama de criminosos. Nós exploramos… e vocês nos chamam de criminosos.

Nós buscamos conhecimento… e vocês nos chamam de criminosos. Nós existimos sem cor de pele,
sem nacionalidade, sem preconceito religioso… e vocês nos chamam de criminosos. Você constrói bombas atômicas, você empreende guerras, você assassina, engana, e mente para nós e tentam nos fazer acreditar que é para o nosso próprio bem, contudo nós somos os criminosos.

Sim, eu sou um criminoso. Meu crime é o da curiosidade. Meu crime é o de julgar as pessoas pelo que elas dizem e pensam, não pelo o que aparentam. Meu crime é o de ser mais esperto que você, algo pelo qual você nunca vai me perdoar.

Eu sou um hacker e este é o meu manifesto. Você pode parar este indivíduo, mas você não pode parar todos nós… afinal, somos todos parecidos.

Texto original em inglês:

http://phrack.org/issues/7/3.html

College Humor – The Matrix

O College Humor, um grupo americano que faz conteúdo humorístico online desde 1999, já parodiou a cultura pop de diferentes formas. Dentro do universo cyberpunk, a franquia The Matrix já foi duas vezes parte da ambientação para tratar dos mesmos assuntos: computação, internet e cibercultura.

Em Matrix Runs on Windows XP, que foi ao ar em 2008, cenas do filme The Matrix foram refeitas e adaptadas para satirizar o produto da Microsoft. Os elementos de computação estão em todo parte, se misturando a trama, causando aquelas risadas involuntárias para quem já foi usuário desse sistema operacional. O vídeo só não é mais satírico, por não ter escolhido rodar a Matrix no Windows Vista. Infelizmente, só há legendas transcritas automaticamente e elas não são muito precisas, mas os diálogos são fáceis de entender. Para os ex-usuários, imagens já são o suficiente.

Em The Terrifying Cost of “Free” Websites, vemos uma crítica muito mais elaborada, mas com um tom de humor muito menor. Abordando a questão de cibersegurança e da utilização dos dados dos usuários, estamos diante de uma fértil temática cyberpunk. Nesse vídeo, também temos um uso de efeitos especiais de maior qualidade, afinal, ele foi gravado em 2016. As referências a saga The Matrix foram bem elaboradas e perfeitamente traduzidas para o momento presente, mas confesso que toda a argumentação do vídeo poderia ter se encaixado ainda melhor com a roupagem de Mr. Robot. Assim como o anterior, apenas legendas transcritas.

Ficção Científica Brasileira

Criado especialmente para falar sobre a FC nacional, o blog Ficção Científica Brasileira é o resultado de uma colaboração de resenhistas, autores e editores que antes de mais nada, são amantes do gênero e reconhecem o valor da produção feita por nossos artistas.

Para os amantes de FC, é um canal essencial de informações. Vale a pena acompanhar as resenhas e opiniões.

https://ficcaocientificabrasileira.wordpress.com/

#Curta: Tears In The Rain

Baseado no universo do livro Androides Sonham Com Ovelhas Elétricas?, de Philip K. Dick, a produção sul africana Tears In The Rain é uma curta metragem, que mergulha profundamente na estética de Blade Runner (1982).

Escrito e dirigido por Christopher Grant Harvey, Tears In The Rain nos brinda com um interessantíssimo plot, movido pelo questionamento: se replicantes são indistinguíveis dos humanos, oque aconteceria se um humano fosse “aposentado” por acidente? Essa abordagem é apresentada pelo engenheiro John Kampff, personagem que se complementa a história de detecção de replicantes de maneira brilhante.

A ambientação segue o denso clima do filme de 1982, além de trabalhar com outros recursos quase idênticos, como a trilha sonora, luzes e figurino. A pós-produção acabou exagerando no volume da música, que compete com as vozes dos atores e deixando o som ambiente um pouco esquecido. As atuações e o uso da câmera fazem o preço da produção, estimado em somente $1500, ser quase inacreditável. Infelizmente, o vídeo disponibilizado não tem legendas, fato que prejudica os não falantes da língua inglesa, pois todo o roteiro é baseado em diálogos.

Esse não é o único projeto feito por fãs que homenageia esse clássico do cinema, existe ao menos mais um a caminho de um crowdfunding. O meu medo é que essas produções acabem sendo melhores do que a continuação prevista para estrear em 2017.

Site oficial: http://www.christophergrantharvey.com/tears-in-the-rain.html

Ou assista pelo Vimeo: https://vimeo.com/201415219

#Curta: Loom

Escrito e dirigido por Luke Scott, filho de Ridley Scott, Loom nos apresenta um futuro onde a biotecnologia é explorada ao ponto de existirem direitos de uso do código genético, fato questionado pelo técnico de laboratório Tommy, interpretado por Giovanni Ribisi – O Resgate do Soldado Ryan (1998), Avatar (2009) e muitos outros.

A curta foi realizada para testar os limites de uma tecnologia que ainda era pouco usada em 2012, o 4k. Por isso, me surpreendi com a qualidade entregue de outros fatores, como: direção, atuação, fotografia e trilha sonora. Apenas não apreciei alguns dos efeitos sonoros, que ficaram exagerados.

A ampla gama de cores testadas nos cenários, dão um clima bem único a curta metragem, que também consegue entregar detalhes bem nítidos em ambientações escuras. Muitos compararam a obra com Blade Runner, principalmente pelo aspecto distópico. A trama questiona o tecnocorporativismo e encerra com uma citação de Origem das Espécies, de Charles Darwin.

Por fim, vale dizer que Luke dirigiu um longa, Morgan (2016), que mistura os gêneros horror e sci-fi. O filme teve seu trailer feito pelo computador IBM Watson, após a análise de centenas de trailers do gênero com as técnicas de aprendizado de máquina (learning machine). Luke parece seguir os passos do pai, o que pode ser um bom sinal para os fãs de ficção especulativa.

Como a resolução em 4k e 3D somente foram exibidas nos cinemas, temos de nos contentar com o 720p HD:

Pokémon Cyberpunk – Parte II

Em 2004, era exibido no Japão, o episódio de nº 341 de Pokémon, que já estava em sua 7ª temporada. Ainda que não apresente tantos elementos cyberpunks quanto os descritos na Parte I, o episódio Gulpin it Down! (The Great Gokulin Repelling Strategy!!) tem bastante influência da ficção científica japonesa.

No Brasil, o título foi traduzido simplesmente como “Os Gulpins”. E nele, acompanhamos a jornada de Ash e seus amigos, que se deparam com uma horda de Pokémons que ameaçam consumir todos os suprimentos da cidade.

pokemon-cyberpunk-2

Ash e seus amigos observando o raio de partículas subatômicas em ação.

Para combater a invasão de Gulpins, o Professor Jacuzzi utiliza de uma isca presa a uma espécie de drone para desviar a rota dos Pokémons, mas isso acaba não sendo suficiente. Então, após um pouco de batalha, Jacuzzi retorna com mais uma surpresa. É aí que entra a ficção científica!

Armado com alta tecnologia, ele emite um raio de partículas subatômicas, capaz de absorver a matéria e utilizar dos poderes dos Gulpins, para armazená-los virtualmente e em seguida, arremessá-los por um canhão à velocidade de Mach 3 (3704,4 km/h).

pokemon-cyberpunk-3

Por mais que seja absurdo, é um uso eficiente da tecnologia, pois aproveita dos movimentos do Pokémon para realizar todo o trabalho. Mas algo dá errado quando as partículas reagem de forma inesperada, tornando dois Pokémons em seres gigantes, em clara homenagem ao cinema japonês! Então, aquela cena que todos conhecemos de nossas infâncias, é realizada em meio aos prédios da cidade.

Em sintonia com nosso tempo, nada mais cyberpunk do que usar de tecnologias para dispersar multidões. Em Akira (1988), temos uma cena de cerco policial, algo bastante comum para representar opressão a populares, comparem:

pokemon-akira

Visualmente, temos o Professor Jacuzzi atuando no centro de comando de seu caminhão. Para essa cena de ação tecnológica, ele coloca um acessório bastante conhecido no cyberpunk: o óculos escuro. Mais uma vez, algo me lembrou de Akira:

pokemon-cyberpunk

Com uma batalha de Pokémons gigantes, não da para evitar de pensar novamente em Akira… Pois é, são semelhanças demais. Porém, não passa de uma mera coincidência, pois é uma homenagem óbvia a Godzilla. Mesmo que Pokémon provavelmente não satisfaça o público cyberpunk, ele conseguiu fazer uma bela homenagem a ficção científica japonesa.

Outra cena interessante do episódio, onde também cabe uma comparação, é o acompanhamento da movimentação dos Gulpins. Assim como em Ghost In The Shell, temos alguém operando diante de um computador o tempo todo:

pokemon-ghost-in-the-shell

O futuro do presente no pretérito: A ficção científica brasileira e a relação do país com a ciência e a tecnologia

Pesquisando sobre os impactos que a ditadura militar teria causado na produção nacional de ficção especulativa, o colega Fábio Fernandes me indicou uma obra de Mary Elizabeth Ginway, uma americana professora de português e literatura brasileira da Universidade da Flórida.

resenha feita por Antônio Luiz M C Costa no site do Skoob, explica um pouco da relação de Ginway com nossa produção literária ficcional. Como ainda não tive a oportunidade de ler o livro, Ficção Científica Brasileira: Mitos Culturais e Nacionalidade no País do Futuro, encontrei mais informações sobre ele através de um artigo publicado na revista FAPESP.

O autor, Carlos Haag, aborda os contextos sociais e tecnológicos da produção de ficção científica nacional. Para isso, ele se apoia diversas vezes na pesquisa feita por Ginway. Passando desde a primeira publicação nacional do gênero, até o cyberpunk surgido após a ditadura militar.

O artigo pode ser lido diretamente no site da FAPESP:

http://revistapesquisa.fapesp.br/2011/06/23/o-futuro-do-presente-no-pret%C3%A9rito/

Ou em formato de revista, pelo .pdf:

http://revistapesquisa.fapesp.br/wp-content/uploads/2012/04/078-083-184.pdf?8d2b69

 

#Ilustrações: Long Ouyang

A arte de Long Ouyang, um talentoso neozelandês, parece ter um pé dentro de mundos distópicos. Ele realiza trabalhos conceituais para jogos e filmes, utilizando da computação gráfica para criar belos cenários, personagens, armas, veículos, etc.

Suas criações são representações de mundos fantásticos, com incríveis imagens de futuros, mecanizações, militarismo e fantasia. Vale a pena dedicar um tempo admirando os detalhes de seus traços.

DeviantArt: http://0800.deviantart.com/

Tumblr: http://long0800.tumblr.com/